quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Padre Sitônio: até o STF, o supremo guardião da lei, não é mais sinônimo de comportamento!


    Muitos me criti-caram ontem pelos comentários que fiz do desembargador que barrou o au-mento dos salários dos vereadores de São Paulo. 
      A minha pergunta era simples e direta: se ele tinha moral para isto já que ele mesmo desrespeita a lei quando recebe salário acima do teto constitucional?
      Claro que não sou a favor do aumento salarial, mas que a lei tem que respei
-tada por todos, principalmente por aqueles que têm a responsabilidade sagrada de julgar. Como fazer justiça com este modus operandi?

      Com este procedimento vemos que a justiça passa a ser usada não com o seu verdadeiro fim, mas para manter os interesses daqueles que a detém e estes interesses visam o bem da coletividade? Obviamente que não! 
      Como pode um juiz transformado pela mídia em herói da moralidade se ele mesmo não respeita a lei. O caso Moro. A lei só se serve se for para cobrar erros alheios, mas não os próprios. Como pode um juiz ser da cozinha de um partido, como é o caso da intimidade de Moro com os tucanos?
      Veja o vídeo abaixo que simplesmente mostra que o STF, o supremo guardião da lei, não é mais sinônimo de bom comportamento! Não é nem sequer político, mas lugubremente politiqueiro. O caso mais explícito é o caso Renan que não foi afastado e já o famigerado Eduardo Cunha foi destituído do seu cargo! O primeiro é muito mais deletério que o segundo que fichinha se comparado ao Renan que continua impune...
      No bom latim: “Exitus acta probat”, traduzindo: "Os fins justificam os meios" Será?

      Padre Sitônio

video

Vídeo enviado por José Moreira Lustosa

Cajazeiras - PB


Nenhum comentário:

Postar um comentário